Meu Diário
23/03/2019 16h25
Grenal 418, na Arena Grêmio, na torcida mista

Domingo passado, 17 de março, fomos assistir na torcida mista, na Arena Grêmio, o 418º clássico Grenal, em que o Grêmio venceu o Internacional por 1x0, gol do lateral-direito Leonardo, aos 43 minutos do primeiro tempo. Foi o primeiro Grenal que minha esposa  foi e eu, igualmente pela primeira vez, assisti a uma partida na torcida mista.

Só não gostei  de saber apenas minutos antes do Grenal quer o Grêmio iria à campo com os reservas. O Inter já havia anunciado dias antes que entraria com os suplentes, usando a desculpa da suspensão do avante Nico Lopes pela justiça esportiva. Na verdade, não queriam perder o Grenal com os titulares para não macular a boa fase na Libertadores, com duas vitórias em dois jogos, e se valeram desse motivo (no jogo seguinte, com Nico ainda suspenso, foram com os titulares... protesto, sei). Mas o grêmio desrespeitou seus torcedores em avisar em cima da hora que iria com os reservas. Fez isso para garantir o público (44 mil pessoas) e a grana da TV por assinatura, o tal "pague para ver"?

No final das contas foi bom, minha esposa gostou e isso valeu o domingo. No jogo, além do gol, cabe ressaltar a expulsão, aos 29 minutos do primeiro tempo, do meio campo Nonato, do Inter, por faltas repetidas. Bom o cara, mas tem de amadurecer muito ainda.


Publicado por João Adolfo Guerreiro em 23/03/2019 às 16h25
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de João Adolfo Guerreiro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
10/03/2019 21h36
Retorno II

Neste domingo, depois de muito tempo, li Tex, esse e outros três, só que, esses outros, pequenos. Foi bom, o ranger e seus pards me renovaram o espírito.


Publicado por João Adolfo Guerreiro em 10/03/2019 às 21h36
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de João Adolfo Guerreiro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
10/03/2019 21h17
Retorno

"Eu voltei, agora pra ficar, aqui, aqui é o meu lugar."


Publicado por João Adolfo Guerreiro em 10/03/2019 às 21h17
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de João Adolfo Guerreiro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
21/11/2018 01h36
Queen & Freddie Mercury

Muito bom o filme Bohemian Rhapsody, assisti duas vezes em Porto Alegre, nos cines dos shoppings Total e Bourbon Country. Recomendo. 


Publicado por João Adolfo Guerreiro em 21/11/2018 às 01h36
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de João Adolfo Guerreiro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
30/09/2018 19h45
Tex Willer, há 70 anos nas bancas

TEX WILLER, há setenta anos nas bancas

Em 30 de setembro de 1948 era publicado na Itália o primeiro número de Tex Willer, personagem de quadrinhos criada pelo roteirista Gian Luigi Bonelli (1908 – 2001) e pelo desenhista Aurélio Gallepini (1917 – 1994). Nem era a primeira opção em termos de expectativa da pequena editora Audace (atual Sergio Bonelli Editora), todavia se tornou sua personagem mais duradoura e de maior sucesso.

No Brasil, o “ranger” surgiu em 1951, na edição 28 da revista Júnior, com o nome de Texas Kid, durando até 1957. Após um hiato de 13 anos, voltou já como Tex Willer, pela Editora Vecchi, em 1971, sendo desde então publicado de forma ininterrupta por aqui, atualmente sobre responsabilidade da Editora Mythos. Revista de enorme sucesso nos anos 1970, recordista de vendas, ainda pode ser encontrada em qualquer banca, embora muita gente que a lia naquela época se surpreenda com isso.

Não é para menos. Ante as profundas alterações que o mercado editorial de quadrinhos sofreu com o advento da internet, é um feito de nota um gibi que tem o antigo gênero western como temática, com traço realista em preto e branco, ainda ser um produto viável em termos comerciais, inclusive disponível em vários formatos e séries: Tex (mensal), Tex Coleção, Tex Gigante, Tex Gigante em Cores, Tex Almanaque, Tex Edição Histórica, Tex Ouro, Tex em Cores, Tex Especial de Férias, Tex Platinum, Tex Os Grandes Clássicos, dentre outras coleções.

Tex Willer está sempre envolvido em aventuras como ranger e como chefe da tribo dos navajos, no Arizona, auxiliado por seus “pards”: seu filho mestiço Kit Willer, o ranger Kit Carson e o navajo Jack Tigre. Na Itália, Brasil, Portugal e noutros países da Europa e da América Latina, apreciadores das histórias de “Águia da Noite” (como é conhecido entre os navajos) comemoram hoje os seus 70 anos a rigor, ou seja, saboreando bifes de três dedos, montanhas de batatas fritas e oceanos de cerveja fresca. Por falar nisso, lá vou eu.

Vida longa para Tex  e seus pards!

 

Texto publicado hoje no site do jornal Portal de Notícias: https://www.portaldenoticias.com.br/ler-coluna/758/tex-willer-setentao.html

 


Publicado por João Adolfo Guerreiro em 30/09/2018 às 19h45
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de João Adolfo Guerreiro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 1 de 112 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [próxima»]


Imagem de cabeçalho: inoc/flickr