João Adolfo Guerreiro
Descobrindo a verdade/ sem medo de viver/ A liberdade de escolha/ é a fé que faz crescer.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


Foto: Sílvio Ferreira

Professores gaúchos: greve classista

A greve do magistério estadual rompeu barreiras e estigmas. A zombaria do “piso na Tumelero”, a falta de reajustes e o parcelamento de salários há anos defasados gerou uma forte mobilização, levando de roldão até mesmo a direção do CPERS, sindicato da categoria, que desejava encerrar a paralisação e foi vencida por decisão de assembléia.

Logo, não é (aliás, nunca foi) uma greve “política” (no sentido de partidária), mas sim um movimento paredista classista que extravasa a há muito represada indignação dos profissionais da Educação, testados até o limite do suportável. Desarma o governo estadual que, justamente, perdeu o argumento de “motivação política” do CPERS. Todavia, o governo endurece, agora se negando a negociar com os educadores.

Os grandes grupos de comunicação estaduais começam a colocar a comunidade contra os grevistas, criticando o movimento por já ter ido “longe demais”, prejudicando o ano letivo, os alunos e as férias escolares, como se os próprios professores (e seus familiares) não terão igualmente de se submeter a tais situações, recuperando aulas sem receber a mais para isso e ainda correndo o risco de não conquistar sua pauta de reivindicações. A grande mídia empresarial sempre faz uma cobertura crítica a toda greve de trabalhadores assalariados, sejam eles públicos ou privados, sejam eles municipais, estaduais ou federais. Por outro lado, raramente vê o lado prejudicial da falta de condições de trabalho, de recursos humanos e de salário digno sobre a estrutura dos vários setores, adotando ponto de vista favorável a governos e grandes empresários.

Então, literalmente, contra tudo e contra todos, professores e professoras decidiram manter os braços cruzados. Mas que ninguém desconsidere esses profissionais difamando sua mobilização como “política”. É uma ação sindical de trabalhadores e trabalhadoras, classista, visando melhorar sua vida profissional. Merecem nosso respeito.

######

REFORMA TRABALHISTA – Dia 29 de novembro, às 20 horas, na Câmara de Vereadores de Charqueadas, a juíza Valdete Souto Severo, do Tribunal Regional do Trabalho 4ª Região, palestrará sobre o tema.

ROTATÓRIA NA ERS 401 – Na segunda-feira o prefeito Simon Souza (PDT) se reuniu com representantes dos servidores penitenciários a fim de tratar do assunto, acompanhado pelos vereadores PC Cabral (PP) e Claudionor Nenê (PDT). No início da manhã do dia 24 ocorrerá uma mobilização na rodovia, junto à entrada das penitenciárias.

SARAU IFSUL – O evento musical e literário acontece neste domingo, a partir das 16h30min, na Praça da Bíblia, em Charqueadas. Na programação Mariane (poesia), Coletivo 7 de Teatro, Murilo (leitura), Jean Ribeiro, Júnior Dihl (poesia), grupos de rap, Nó Suíno, Chico Chagas, Black Chirrion, Gabriel Vilodre e Pedro Kowalski.

GUIMARÃES ROSA – E também no domingo completar-se-ão cinquenta anos da morte (19.11.67) do grande escritor mineiro, autor do clássico Grande Sertão: Veredas. Foi o livro mais impressionante que já li, uma obra ímpar. Recomendo-a!

TRAMATEIA – Amanhã a banda charqueadense se apresentará no Muralha Charqueadas, com início às dez e meia da noite.


Texto publicado no jornal Portal de Notícias, versões online e impressahttp://www.portaldenoticias.com.br
João Adolfo Guerreiro
Enviado por João Adolfo Guerreiro em 17/11/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de João Adolfo Guerreiro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários