Meu Diário
06/05/2017 12h38
Seriados americanos

Tenho relaxado assistindo Bones, ultimamente. O bom desses seriados é que você pode comprar ou alugar os DVD's da série ou mesmo olhar na Netflix. Outra coisa: ao contrário das novelas, onde você tem de assistir os capítulos para encadear a história, nos seriados gringos cada episódio é uma trama específica, uma história com início, meio e fim. E eu adoro isso e, por tal, não gosto de novelas.

Na ordem, já assisti, integralmente, Criminal Minds, Supernatural, Once Upon A Time e Vikings. E todas são séries meio violentas, mas eu relaxo assistindo-as, devido a uma dose de humor nelas contido, acho. Com excessão de Once, que é leve e meio ao estilo novela, mas como peguei todas as temporadas de uma vez, fui adiante. Ah, Vikings também é meio estilo novela.

Comecei com Criminal e Supernatural ao vê-las na TV. Há anos não assitia a nada na TV (fora o Top Top da MTV), mas como tenho deitado mais cedo já a alguns anos, acordo na madruga e, ao passar pelos canais, paro para ver se algo me agrada, Criminal e Supernatural interessaram-me. Acho que Bones também foi o caso. Não gostava dos CSI, muita tecnologia, Bones me pareceu mais cientificamente palatável. Pura subjetividade minha, confesso. Bones é antropóloga, é da minha formação, por isso o interesse. Criminal também, tem muito de ciências humanas nas investigações, na elaboração e uso dos perfis dos criminosos seriais.

Um outro lance é que esses seriados se passam numa realidade que não é a da gente, assim interagimos pouco com elas e acabamos relaxados. Claro que percebo os componentes ideológicos presentes em cada seriado, entretanto tais são exteriores à realidade histórico-social em que vivo. Daí fica instrutivo e divertido, não provoca posicionamentos ante a obra.

Outras séries famosas, além dessas, não me interessaram a ponto de assitir.


Publicado por João Adolfo Guerreiro em 06/05/2017 às 12h38
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de João Adolfo Guerreiro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Imagem de cabeçalho: inoc/flickr